Artigos
2017-01-25

Os muros de Pedra

Olhar a serra e ver o puzzle de muros de pedra cinza sobre os prados verdes é a imagem da marca do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros.

Olhar a serra e ver o puzzle de muros de pedra cinza sobre os prados verdes é a imagem da marca do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros.
Esta marca serrana deveu-se à necessidade humana de arrumar o espaço, libertando por um lado os terrenos de pedra e por outro utilizando este material para delimitar a propriedade e impedir o gado que circulava pelos baldios de invadir os terrenos agricultáveis. Desta comunhão de vontades imergiu um património construído que hoje podemos visitar e apreciar.

São os muros de pedra seca, os chamados “chousos” ou “cerrados” mas igualmente os “maroiços” (montes de pedra acumulados da despedrega dos terrenos) ou as “casinas”, maravilhosas casas de pedra construídas pelos pastores e que hoje são tão valorizadas e protegidas pela comunidade.
Mas estes muros são a origem de todas as formas de arquitetura reinantes utilizadas pelas gentes desde a antiguidade, e ligam-se às atividades económicas existentes nestes territórios onde pontuam os moinhos de vento, os lagares e as azenhas.

Mas a pedra é a matéria-prima dos currais e também das casas, de proporções modestas com pátio e alpendre mantendo um equilíbrio que perpassa gerações. Esta pedra, motor da economia local, traz desafios para as comunidades pois o seu elevado valor comercial traduziu-se no crescimento das pedreiras que vão rasgando a serra e deixando feridas que significam “progresso”. A existência do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros não resolve os problemas mas cria a tensão adequada para permitir acreditar que estamos perante um modelo sustentável.

FAQ